O trabalho em diferentes tempos e espaços

O trabalho em diferentes tempos e espaços

Disciplina:

Geografia

Ciclo: Ensino Fundamental – 5ª a 9ª
Assunto: Trabalho
Tipo: Filme

Uma abordagem significativa do tema “trabalho” pode ser desenvolvida a partir de sessões de três filmes que tratam do assunto em tempos e espaços diferentes.

O filme “A Classe Operária Vai ao Paraíso”, de Elio Petri, narra a história de um operário-modelo italiano, que sonha com o mundo do consumo da classe média. Em “Eles não Usam Black-Tie”, de Leon Hirszman, é realizado um retrato do Brasil a partir da história de duas famílias operárias durante o ressurgimento do movimento dos trabalhadores, no regime militar. “O Carteiro e o Poeta”, de Michael Radford, mostra como um carteiro imprimiu novo significado ao seu trabalho, ao ser contratado para entregar cartas ao poeta Pablo Neruda.

Após cada sessão, os alunos expressam em uma palavra a mensagem principal transmitida pelo filme. O professor anota e, depois, organiza um painel na lousa com o nome dos filmes e lista as palavras correspondentes. Na seqüência, os alunos, em duplas, apontam duas características do trabalho desempenhado pelos personagens dos filmes.

Em pequenos grupos (quatro ou cinco pessoas), os alunos fazem uma discussão das questões:

  • Que relação os trabalhadores do filme estabelecem com o trabalho que realizam? Por quê?
  • Há semelhanças entre o que aparece nos filmes com o trabalho nos dias atuais? Quais?Para finalizar, cada grupo produz um texto organizando as idéias discutidas e o professor sintetiza o trabalho ressaltando os pontos mais importantes sobre o assunto.

    Referências:

    A Classe Operária Vai ao Paraíso, de Elio Petri.
    Itália, 1971, 115 minutos.
    Clássico do cinema político italiano, mostra a vida de um operário que, após sofrer um acidente de trabalho, se envolve em movimentos de protesto e fica dividido entre as tentações da sociedade de consumo e as convocações da militância política revolucionária.

    Eles não Usam Black-Tie, de Leon Hirszman.
    Brasil, 1981, 127 minutos.
    Clássico do cinema político brasileiro, foi adaptado da peça teatral de Gian Francesco Guarnieri, com a ação transposta para o fim da década de 70, quando nasce o movimento sindical no ABC paulista. Aborda os conflitos e contradições desse período, a recuperação de um espaço de participação política, o aumento do desemprego, o achatamento salarial, o autoritarismo dentro das fábricas, a revolta dos jovens.

    O Carteiro e o Poeta, de Michael Radford.
    Itália/França/Bélgica, 1994, 116 minutos.
    Na década de 50, o poeta chileno Pablo Neruda, comunista, é exilado em uma pequena ilha no mar Mediterrâneo, devido às perseguições que sofre em seu país natal. Lá conhece o carteiro Mario Ruoppolo, que é muito humilde, mas com grande sensibilidade. Entre os dois surge uma bonita amizade e Mario pede a Pablo ajuda para compor uma poesia para a garota pela qual se apaixonou.

    Texto original: Regina Inês Villas-Boas Estima
    Edição: Equipe EducaRede

 (CC BY-NC Acervo Educarede Brasil)
27/06/2002

Profissões x Matemática

Profissões x Matemática

Disciplina:

Matemática

Ciclo: Ensino Médio
Assunto: Funções, Gráficos, Ordens de grandeza, População, Trabalho
Tipo: Materiais didáticos

Objetivo:  – Relacionar aspectos da vida real, com a matemática; – Refletir sobre as várias formas de salários e fatores do qual esses dependem; – Levar o aluno a perceber/entender o que é uma variável; – Interpretar e descrever relações apresentadas em gráficos; – Identificar parâmetros das funções, descrevendo a lei matemática de situações problemas; – Reconhecer fatores que influenciam no comportamento gráfico de uma função; – Reconhecer que salário fixo é representado por uma função constante e, portanto não possui variável; – Reconhecer que um salário que varia é uma função linear e, portanto possui variável; – Perceber as diferenças entre função linear crescente e função linear decrescente.

Pré-Requisito: Ter noção de representação gráfica

Autoria: Carine Graciela Teichmann Soares; Dionatan Kitzmann Tietzmann – UNIVERSIDADE REGIONAL DO NOROESTE DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL – UNIJUÍ

Tipo de Atividade: Motivação, observação, análise, exploração, discussão.

Avaliação da Atividade: Analisar os conceitos construídos e/ou aprimorados pelos alunos após a realização da atividade, esclarecendo dúvidas ainda existentes. Durante toda a atividade o professor poderá avaliar o empenho dos alunos na medida em que observa/interage com os grupos e no momento de discussão analisar as diferentes estratégias, bem como, solicitar um relatório da atividade, que pode ser orientado a partir de questões que o professor julgar interessante para a avaliação da mesma.Além de atividades complementares, com exercícios. OBS: sugestões de questões e exercícios estão no guia do professor.

Contexto da Atividade: Organizar os alunos em grupo conforme o número de computadores no laboratório. Recomenda-se que o trabalho seja realizado em duplas de alunos, para que ocorra a troca de idéias e de estratégias. Orientá-los para acessar o objeto, e que levem lápis e caderno para a sala de informática para realizar anotações durante a atividade.

Tempo Previsto para Atividade: Tempo estimado em duas horas aula.

Clique aqui e conheça o conteúdo

Texto Original: RIVED

 (CC BY-NC Acervo Educarede Brasil)
30/08/2007

Meio ambiente em debate

Meio ambiente em debate

Disciplina:

Geografia

Ciclo: Ensino Fundamental – 5ª a 9ª
Assunto: Meio ambiente e trabalho
Tipo: Filme

No Brasil, a questão ambiental se relaciona estreitamente com o tema trabalho e organização dos trabalhadores.

O filme “Amazônia em Chamas”, de John Frankenheimer, trata do conflito instalado na região Amazônica, onde seringueiros lutam pela preservação de seu trabalho e do meio ambiente em confronto com os interesses econômicos de empresas multinacionais. O filme mostra ainda a trajetória da organização dos seringueiros, seu sindicato e a liderança de Chico Mendes.

Desse modo, é interessante trabalhar esse filme com alunos do Ensino Fundamental. Após a sessão, o professor destaca para os alunos o papel desempenhado pelos três “atores” principais: os seringueiros, os representantes da empresa multinacional e as autoridades do Estado/sociedade.

O professor, então, divide a classe em três grupos e propõe um júri-simulado, revezando o réu entre os três “atores”. Os grupos deverão produzir argumentos escritos para julgar os réus (acusação e defesa) em cada momento.

Ao final, o professor e os alunos organizam um painel com os argumentos de acusação e de defesa. Para dar continuidade, os alunos coletam notícias de jornal que se aproximam da discussão provocada pelo filme. Com esse material, organizam o mural “Meio ambiente em debate”.

Referência:
Amazônia em Chamas, de John Frankenheimer.
EUA, 1994, 128 minutos.
O filme retrata a vida do seringueiro Chico Mendes, assassinado em dezembro de 1988. Desde sua infância, Chico foi testemunha das brutalidades cometidas contra seringueiros e, ainda jovem, decidiu dedicar-se à luta em favor de justiça para o povo de sua região. Acreditando no diálogo e em soluções sem violência, transformou-se em uma figura de importância nacional, um herói local e um peso ainda maior para seus inimigos. Até que uma emboscada marcou o fim de sua vida.

Texto original: Regina Inês Villas-Boas Estima
Edição: Equipe EducaRede

 (CC BY-NC Acervo Educarede Brasil)
04/03/2002