Desenhando o seu espaço

Desenhando o seu espaço

Disciplina:

Geografia

Ciclo: Ensino Fundamental – 5ª a 9ª
Assunto: Representação cartográfica
Tipo: Metodologias

Fazer leitura de mapas exige algumas habilidades que precisam ser desenvolvidas ao longo do Ensino Fundamental. Para isso, o aluno deve ter a oportunidade de ser “mapeador”, para depois ser usuário de mapas.

Essa atividade tem como objetivo identificar os conhecimentos e as dificuldades dos alunos em relação à linguagem cartográfica.

Cada aluno desenha individualmente um percurso que lhe seja familiar, indicando no desenho tudo o que esteja ao redor: ruas, praças, prédios (os que lembram: lojas, fábricas, escolas etc.). Indica também em que posição o Sol aparece ou se põe. Podem usar símbolos para representar os diferentes pontos.

Antes de iniciar, é importante explicar que o desenho será mostrado para outros colegas e que deverá ser reconhecido.

Enquanto os alunos elaboram o desenho, o professor observa e registra como eles estão construindo essa representação, que elementos da paisagem estão presentes, como localizam os elementos no espaço, como utilizam escala e símbolos.

Em uma segunda etapa, os alunos, em duplas, analisam o desenho um do outro. É interessante que eles conversem e confrontem a intenção do autor do desenho com a representação feita.

Em seguida, o professor discute com toda a classe sobre a atividade realizada: foi fácil representar o espaço por meio do desenho? Foi difícil interpretar o desenho do colega? Essa síntese da atividade servirá para o planejamento que o professor deve fazer para avançar no estudo da cartografia.

Para finalizar, pode-se solicitar aos alunos que olhem para o desenho que fizeram e escrevam em poucas palavras algo sobre “O lugar em que você vive”.

Para aprofundar:
ALMEIDA, Rosangela Doin de Almeida. Do Desenho ao Mapa: Iniciação Cartográfica na Escola. São Paulo: Contexto, 2001.

Texto original: Regina Inês Villas-Boas Estima
Edição: Equipe EducaRede

 (CC BY-NC Acervo Educarede Brasil)
27/06/2002

Aonde você chegou?

Aonde você chegou?

Disciplina:

Geografia

Ciclo: Ensino Fundamental – 1ª a 4ª
Assunto: Alfabetização cartográfica, relações projetivas
Tipo: Jogos

O estabelecimento das relações projetivas — esquerda/direita, cima/baixo, frente/trás — varia de acordo com o ponto de vista de quem observa ou a partir de uma determinada referência.

A construção dessas noções não é simples para a criança. Inicia-se por volta dos cinco anos e tem como ponto de partida o seu próprio corpo. Em um processo gradativo de descentralização, passa a considerar a esquerda e a direita de pessoas colocadas à sua frente para, finalmente, por volta dos onze anos, considerar o posicionamento dos objetos uns em relação aos outros, a ela própria ou a outras pessoas.

Por essa razão, os alunos das séries iniciais do Ensino Fundamental precisam experimentar muitas vezes e de formas variadas situações que enfoquem as relações projetivas. Para isso, o professor pode utilizar recursos como o jogo, por ser um procedimento didático que favorece a concretização de deslocamentos com base nessas relações.

O jogo “Aonde você chegou?” enfoca as relações projetivas que precedem o trabalho de orientação espacial por meio dos Pontos Cardeais — Norte, Sul, Leste, Oeste — e dos Pontos Colaterais — Nordeste, Sudeste, Noroeste e Sudoeste.

Para a montagem do tabuleiro, pode-se utilizar uma cartela de duas dúzias e meia de ovos. Colar na ponta de cada cone as letras de A a Z, incluindo o K e, na última fileira, os números de 1 a 6.

A B C D E F
G H I J K L
M N O P Q R
S T U V X Z
1 2 3 4 5 6

Confeccionar envelopes contendo, na parte externa, indicações de como se deslocar no tabuleiro e, em seu interior, uma filipeta com a resposta correspondente.

O jogo deverá ser jogado em duplas. Cada uma delas receberá um tabuleiro e dez envelopes.

Um aluno de cada vez sorteia um envelope, lê as indicações, executa o deslocamento indicado e confere o local de chegada. O professor acompanha o desempenho das duplas, fazendo as intervenções necessárias: Esta é a sua direita? Quantas casas você tem de se deslocar para cima? Ande você chegou?

Vence o aluno que obtiver o maior número de acertos.

Texto original: Vera Lúcia Moreira
Edição: Equipe EducaRede

 (CC BY-NC Acervo Educarede Brasil)
27/03/2002

O mapa do corpo

O mapa do corpo

Disciplina:

Geografia

Ciclo: Ensino Fundamental – 1ª a 4ª
Assunto: Cartografia, conceitos espaciais
Tipo: Metodologias

 

No estudo da cartografia (leitura e interpretação de mapas), as relações projetivas — esquerda/direita, cima/baixo, frente/trás — precisam ser bem compreendidas e internalizadas pelos alunos.

A confecção do “mapa do corpo” é um recurso que pode ajudar o aluno a compreender essas relações. Trata-se de um boneco desenhado a partir do contorno do corpo da criança. Ter o próprio corpo como referencial torna mais concreto para a criança o estabelecimento dessas relações.

Para o desenvolvimento da atividade, cada aluno precisará de duas folhas de cartolina coladas com fita adesiva, materiais para colorir e tesoura. Trabalhando em duplas, um aluno se deita sobre o papel e o outro desenha o contorno de seu corpo. Depois a dupla se reveza.

Usando material para colorir, cada aluno desenha a si próprio no boneco e, em seguida, recorta o mapa de seu corpo.

Terminado o trabalho, o professor desenvolve exercícios e brincadeiras que favoreçam a compreensão das localizações. Por exemplo:

  • Solicita que coloquem o boneco à sua esquerda, à frente, atrás, à direita de seu colega.
  • Um grupo pode fazer perguntas para os colegas com as referências – esquerda/direita, cima/baixo, frente/trás – indicando no corpo do boneco uma parte. Por exemplo: O umbigo fica na frente ou atrás no corpo? As mãos ficam abaixo ao acima da cabeça?
  • O boneco funciona também como um espelho em exercícios de inversão direita/esquerda: a esquerda do boneco corresponde à direita do aluno e vice-versa.

Obs.: Veja também as dicas Sentir o corpo e Boneco articulado.

Texto Original: Vera Lúcia Moreira

Edição: Equipe EducaRede

 (CC BY-NC Acervo Educarede Brasil)
22/01/2004