Origem e evolução da vida em 100 m de linha do tempo

Disciplina: Biologia
Ciclo: Ensino Médio
Assunto: Formação da Terra, origem e evolução da vida
Tipo: Metodologias

Um projeto é uma seqüência de atividades organizadas com o propósito de resolver um problema. Em sala de aula, a criação, o planejamento e a implementação de um projeto pode ser uma forma interessante de promover aprendizagens significativas.

A construção de uma linha do tempo gigante pode ser tema de um projeto e envolver os alunos nos estudos sobre a origem da Terra, da vida e de sua evolução no planeta. A idéia básica é propor a construção de uma linha do tempo de 100 m de comprimento, montada como um varal no pátio da escola.

Ao considerar que a origem da Terra foi há 4,6 bilhões de anos, podemos construir uma linha do tempo que se inicie na data 5 bilhões de anos a.p. (antes do presente). Se vamos representar 5 bilhões de anos em 100 m, são 50 milhões de anos transcorridos a cada metro de linha do tempo.

Os alunos são convidados a pesquisar, em livros de Biologia e na Internet, o que os biólogos dizem a respeito do surgimento e da evolução dos seres vivos na Terra. A tabela abaixo (AMABIS e MARTHO, 2001) apresenta um resumo das principais informações. A partir delas, os alunos podem procurar outros dados e detalhes interessantes, que possam tornar a linha do tempo atrativa para quem a veja.

Evento
Ocorrido há aproximadamente
(em anos)

Primeiras evidências de seres vivos

3,5 bilhões

Origem da fotossíntese

2,5 bilhões
Origem dos seres eucarióticos
2 bilhões
Abundância de fósseis (“explosão cambriana”)
570 milhões
Origem das plantas de terra firme
438 milhões
Origem dos anfíbios
408 milhões
Origem dos répteis
360 milhões
Origem dos dinossauros e dos mamíferos
245 milhões
Extinção dos dinossauros e início da expansão dos mamíferos
66 milhões
Origem dos primatas
55 milhões
Ancestral comum de pongídeos e hominídeos
8 milhões
Primeiros hominídeos
2 milhões
Origem da espécie humana moderna
150 mil

O primeiro desafio que se apresenta aos alunos, a partir da apresentação dessa tabela, é fazer sua leitura. É interessante que o professor vá questionando sobre os termos novos da tabela e observando quais os alunos conhecem e quais não. A partir dessa observação, pode apresentar alguns conceitos aos alunos, ou sugerir uma consulta a dicionários, enciclopédias, livros de Biologia ou outras fontes.

Uma vez compreendida a tabela, pode-se lançar aos alunos o desafio de organizar esses acontecimentos em uma linha do tempo para ser divulgada e compartilhada com as demais classes da escola. Para isso, é importante, então, desenvolver a pesquisa sobre a origem e a evolução dos seres vivos, para acrescentar informações à tabela acima e construir a linha do tempo. Os alunos podem se organizar em duplas ou trios para pesquisar sobre cada um dos intervalos citados na tabela.

A primeira equipe pode ficar com o intervalo que vai de 3,5 bilhões de anos (primeiras evidências de seres vivos) até 2,5 bilhões de anos (origem da fotossíntese); a segunda fica com o intervalo de 2,5 bilhões até 2 bilhões (origem dos seres eucarióticos); a terceira equipe responsabiliza-se pelo intervalo que vai de 2 bilhões de anos até 570 milhões de anos, e assim por diante.

A idéia é produzir alguns cartazes que representem os eventos mais importantes de cada intervalo e, depois, colocá-los na linha do tempo de 100 m, construída no pátio ou na quadra da escola. Incentive os alunos a fazer cartazes com informações interessantes, escritas com letras grandes, fáceis de ler e sempre com uma ilustração. No cartaz, deve sempre estar escrita a data a que se refere o evento mencionado. Se for possível, os alunos podem utilizar a informática para auxiliar a produzir esses cartazes.

Para a instalação da linha, o melhor é escolher um local onde se possa esticar um fio com 50 m, que sustentará os cartazes componentes da linha. Neste caso, a linha do tempo seria composta por dois varais, totalizando 100 m. Se a máxima distância possível para esticar o fio for de 25 m, a linha do tempo terá quatro varais. Para marcar a escala temporal, os alunos fazem um conjunto de placas (uma folha sulfite, por exemplo) e colocam as datas, com intervalos de 100 milhões de anos (uma a cada dois metros, portanto), a partir da origem dos seres vivos (3,5 bilhões de anos). Na linha, a primeira placa seria a de 5 bilhões de anos; a segunda, a de 4 bilhões; e a terceira, a de 3,5 bilhões de anos. A partir daí viriam as placas “3,4 bilhões”; “3,3 bilhões” e assim por diante, até a placa “dias atuais”.

Uma vez o fio instalado e datado, as equipes que fizeram os cartazes podem fixá-los no local adequado.

Algumas problematizações podem ser feitas pelo professor enquanto os cartazes que comporão a linha estão sendo construídos:

  • Identificar os intervalos mais vazios.
  • Discutir por que isso ocorre.
  • Comparar tempo transcorrido entre o primeiro ser vivo e os primeiros animais.
  • Comparar o tempo transcorrido entre os primeiros animais e os primeiros seres humanos modernos.

Se for do interesse dos alunos, poderá haver também uma equipe para pesquisar a evolução humana em particular.

Essa idéia de construir uma linha do tempo gigante pode ser utilizada com outros temas como a origem e a evolução do universo, a história da humanidade ou a história do Brasil.

Fonte:
AMABIS & MARTHO. Guia de apoio didático para os três volumes da obra Conceitos de Biologia. São Paulo: Moderna, 2001, p. 206.

Edição: Equipe EducaRede

(CC BY-NC Acervo Educarede Brasil)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *