Versailles 1685

Versailles 1685

Disciplina:

História

Ciclo: Ensino Médio
Assunto: O palácio de Versalhes e a corte do Rei Luís XIV, o Rei-Sol
Tipo: Jogos

Onde encontrar: Lojas de jogos eletrônicos (Office Media – Entretenimento & Cultura ou telefone 11 4154 1140)

Na área de História, são poucos os materiais eletrônicos de qualidade (Jogos, CD-ROMs) adequados para complementar o trabalho em sala de aula. Geralmente contêm uma visão bem tradicional da História e pouco contribuem para o uso dos recursos de multimídia.

O jogo “Versailles 1685”, embora ainda mantenha o foco na História tradicional, apresenta uma proposta interessante e de qualidade: uma aventura ambientada nesse famoso palácio usando a tecnologia OMNI 3D, que permite uma navegação de 360º em mais de 40 cômodos, jardins e pátios.

Trata-se de uma co-produção de Réunion des Musées Nationaux e do Canal + Multimédia, com as informações básicas traduzidas para o português. Em um rigoroso trabalho de pesquisa, a equipe da curadora-chefe do palácio de Versalhes, Béatrix Saule, reconstituiu Versalhes de 1685 com suas gravuras, pinturas, esculturas, móveis e demais objetos da época.

Além das imagens, é possível acessar textos e documentos em qualquer etapa do jogo, que enriquecem os conhecimentos e ajudam a compreender parte da sociedade francesa da época: a etiqueta, as artes, o reino, a corte, a vida no palácio, além de biografias do Rei Luís XIV, de membros da família real, ministros, nobres e seus criados, e artistas. Uma cronologia bem detalhada dá conta dos principais eventos políticos da França, de 1638 (nascimento do futuro rei) a 1715 (morte de Luís XIV).

No “passeio” pelo palácio, a trama do jogo propõe um mistério: descobrir em um dia um complô arquitetado para destruir Versalhes. Para isso, o jogador precisa conhecer os diferentes cômodos, acompanhar o Rei nas atividades do dia e tentar salvar a Corte e o Palácio.

Mas por que esse material pode ser útil em sala de aula?

Primeiro, porque fornece elementos visuais, textuais e sonoros (40 minutos de música barroca ajudam a compor o clima de época) sobre aspectos da história da França no século XVII, tornando os estudos sobre o Antigo Regime e o Absolutismo menos abstratos e vazios.

Segundo, porque amplia a visão de uma época distante daquela em que vive o aluno, com maneiras diferentes de exercer o poder, conviver, vestir-se, enfeitar-se, decorar um ambiente… Tudo isso pode contribuir para a construção da cultura histórica dos alunos.

Por outro lado, também ajuda a compreender por que esse mundo de luxo e magnificência de Versalhes, representativo da aristocracia francesa, foi “posto abaixo” cem anos depois, com a Revolução de 1789.

Caso a escola consiga adquirir apenas um exemplar do jogo, ele pode ser utilizado alternadamente pelos alunos, divididos em pequenos grupos, em momentos de trabalho diversificado. Ou seja, enquanto você discute ou atende às dificuldades de um grupo, outros exploram o jogo, em rodízio.

Após a exploração do material por todos os grupos, proponha aos alunos:

  • uma conversa sobre o que foi possível aprender com o jogo;
  • a discussão de algumas idéias e informações apresentadas nos textos e imagens;
  • o levantamento de aspectos que demandem aprofundamento.A pesquisa sobre os tópicos a serem aprofundados pode começar pelos textos e documentos existentes no próprio jogo, além de outros livros interessantes sobre o assunto, como “A Etiqueta no Antigo Regime”, de Renato Janine Ribeiro.

    Com a participação dos professores de Artes e Geografia, pode-se ampliar a exploração do jogo, por meio da leitura e discussão de imagens (mapas, plantas baixas, pinturas, esculturas), além de aproximar os alunos do Barroco – um importante modo de expressão artística da época.

    Referência:
    RIBEIRO, Renato Janine. A etiqueta no Antigo Regime. São Paulo: Brasiliense, 1983. (Coleção “Tudo é História”).

    Curiosidade:
    Se quiser ver imagens do jogo, acesse o site Gamespot.

    Texto original: Ronilde Rocha Machado
    Edição: Equipe EducaRede

    Os sites indicados neste texto foram visitados em 06/03/2003

    (CC BY-NCAcervo Educarede Brasil)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *