Professoras premiadas


Chuva de idéias

Conheça os professores e seus projetos vencedores em três importantes prêmios de reconhecimento na área educacional

Por Rosane Storto

Uma idéia na cabeça e uma sala de informática à mão. A professora Luciana Regina Zaniratto, da Escola Municipal Professor Joaquim Candelário, de Jundiaí, na Grande São Paulo, decidiu usar os 12 computadores disponíveis para desenvolver uma atividade que integrasse alfabetização ao desenvolvimento da auto-estima. Batizado de “Alfabetização na Era da Multimídia”, o projeto foi um dos vencedores do Prêmio de Incentivo à Educação Fundamental 2003, da Fundação Bunge e Ministério da Educação.

O prêmio é um dos três mais importantes do país para o reconhecimento de profissionais do ensino público que se destacam no desempenho de suas funções. Há também o Qualidade em Educação Infantil, da Fundação Orsa, e Professor Nota 10, da Fundação Vitor Civita. Todos tiveram seus resultados deste ano divulgados em outubro, mês do professor.

Para despertar em seus alunos da 1a série o interesse pela leitura e escrita, a estratégia da professora Luciana foi aproveitar o fascínio evidente das crianças pelas novas tecnologias, aliado a um personagem muito presente no imaginário dessa faixa etária: os monstros. Segundo a professora, qualquer atividade na sala de Informática vai além do simples manuseio de softwares. “Queria interligar o trabalho na sala de informática com o desenvolvido em sala de aula”, conta.

A partir da leitura dos livros infantis “Pequeno Manual de Monstros Caseiros” e “Mais Um Pequeno Manual de Monstros Caseiros”, de Stanislav Marijanovic, Luciana pediu à turma para inventar novos monstrinhos. Estava dada a largada para os pequenos abusarem da criatividade para produzir textos e ilustrações. Todo o trabalho foi realizado na sala de informática e resultou no livro digital “Os Monstros”, criado com o auxílio do software Pix Kids, que permite a confecção de desenhos, bordas, trilha sonora e gravação. “Nosso livro pode ser visto, lido e ouvido”, observa.

De acordo com a professora, o projeto tornou a aprendizagem mais eficaz. “Além de todo o resultado positivo com a alfabetização, trabalhamos também a questão da auto-estima, pois as crianças passaram a ser produtoras do seu conhecimento”, explica. A premiação ao projeto fez com que colegas da escola se sentissem mais estimulados a aproveitar mais a sala de informática. Além de Luciana, outros 22 professores de diversas estados receberam o prêmio.

(CC BY-NC Acervo Educarede Brasil)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *