Produção de narrativa com discurso direto

Produção de narrativa com discurso direto

Disciplina:

Língua Portuguesa/Literatura

Ciclo: Ensino Fundamental – 5ª a 9ª
Assunto: Produção de narrativa
Tipo: Informática

Há várias possibilidades de se trabalhar em sala de aula com a produção de narrativa com discurso direto. Uma delas pode ser desencadeada a partir de um texto que suscite um diálogo.

Uma vez apresentada a proposta, explicados os objetivos pretendidos e verificadas as condições técnicas de sua escola, proponha aos alunos o trabalho em duplas, utilizando, para isso, o processador de texto. Na dupla, cada um deve assumir um determinado personagem que, considerando a situação discursiva, fará uso da voz dos personagens (variações lingüísticas) por meio dos marcadores de discurso (travessões). O importante nesta atividade é que os alunos percebam os diferentes falares e que saibam transcrevê-los, fazendo uso do discurso direto.

A título de ilustração, o texto “Teresinha de Jesus”, de Chico Buarque de Holanda, apresenta três diferentes personagens. A segunda estrofe contempla esta proposição, obviamente depois de lido e comentado todo o poema. Quando concluídos os diálogos, os alunos poderão disponibilizá-los para leitura e comentários dos colegas de classe.

Após mediar essa discussão, o professor observará com seus alunos a necessidade ou não da presença do narrador para que aquela história subentendida em seus diálogos contextualize-se para outros leitores. A discussão sobre o papel do narrador aqui pode fazer avançar muito a escrita dos alunos, mas não basta discursar sobre esse elemento da narrativa. É preciso experimentar:

  • oralmente contar uma história em primeira ou terceira pessoa;
  • ler e identificar tipos de narradores em diferentes textos;
  • transformar um texto com narrador em primeira pessoa para terceira pessoa;
  • transformar um texto com narrador de terceira pessoa para primeira pessoa;
  • verificar as mudanças que ocorrem em verbos, pronomes quando a pessoa do narrador é modificada;
  • comparar e estabelecer as diferenças entre autor e narrador do texto.O professor pode ressaltar a importância do papel do narrador não só como o de condutor de um enredo coerente que envolve personagens num determinado tempo e espaço, e o de quem apresenta a narrativa sob sua perspectiva e pelo foco narrativo autorizados pelo autor, como também, aquele que, por meio desses recursos, persuadirá o leitor a testemunhar cada instante narrado.

    De posse dessas informações, os alunos cuidarão para que o narrador seja inserido nos seus diálogos por meio dos recursos do processador de texto que permitem, além da inserção, substituir, excluir, recortar, copiar e colar palavras e/ou expressões, promovendo uma rica e dinâmica atividade de linguagem.

    Texto original: Mariza Mendes
    Edição: Equipe EducaRede

(CC BY-NC Acervo Educarede Brasil)
22/05/2003

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *