Planejar é parte do processo

Planejar é parte do processo

Coordenadora do setor de Tecnologias na Educação da SME de São Paulo falou aos internautas do EducaRede sobre a importância do planejamento escolar e o uso das TIC’s em sala de aula

Atual coordenadora do setor de Tecnologias na Educação da SME de São Paulo, a educadora Lia Paraventi falou, num bate-papo com internautas do EducaRede, na última quinta-feira, 19/02, entre outras coisas sobre a importância do Planejamento Escolar e, especialmente sobre o uso da informática em sala de aula.

Pedagoga e Professora de Língua Portuguesa e Literatura Brasileira, a educadora aproveitou a experiência como diretora de escola da rede municipal para atentar sobre a importância de aproveitar o início do ano letivo para preparar o planejamento do Projeto Pedagógico da escola, que, segundo ela, deve permear o currículo durante todo o ano letivo.

De acordo com Lia, toda a comunidade escolar deve fazer parte do desenvolvimento desse projeto. “O PP da escola deve contar com a participação de pais e alunos, pois trata da escola que se quer. Do levantamento de prioridades para se chegar à escola desejada. Do seu plano de curso, devem constar as metas, objetivos e estratégias que deem conta de atender as prioridades do PP”, afirmou Lia:

A educadora também falou sobre a importância do uso da informática na escola e sobre o diagnóstico que a SME fez do Letramento Digital dos seus alunos. “Os resultados foram fantásticos… É um bom indicador para conhecermos a realidade de cada escola, de cada Diretoria Regional e da própria cidade de São Paulo”, revelou. Confira o chat na íntegra:

Moderador
Bem-vindos ao Bate-papo Educarede!


Lia Paraventi

Olá a todos, é um prazer participar desse chat que trata do planejamento escolar.

Moderador
Nana: Boa tarde, Lia

Lia Paraventi
fala com Nana: Oi, Nana, tudo bem?

Moderador
Clarice: Como devemos planejar a sala de informática para receber os alunos?

Lia Paraventi
fala com Clarice: Este é um momento fundamental para o decorrer de todo ano letivo. O primeiro passo é estabelecer com os alunos os critérios de uso da sala de informática, uma vez que o cominado pode sempre ser cobrado.

Moderador
Fernanda: Boa tarde, Lia, tudo bem?

Moderador
Douglas: Olá, Lia, tudo bem?

Moderador
Clarice: Como o professor pode lidar com as diferenças de conhecimento entre os alunos dentro da sala de informática?

Lia Paraventi
fala com Clarice: As tecnologias possibilitam essa ação, pois tratam com as diferentes linguagens. Se entende o computador como um portador de múltiplas e diferentes linguagens, poderá adequar qualquer atividade oferecendo oportunidade a todos os alunos, mesmo que na mesma sala. Um aluno que ainda não sabe ler pode participar gravando, por exemplo. Temos o caderno de Tecnologias que traz muitas atividades diversificadas, justamente para atender todos os alunos.

Moderador
Fernanda: Lia, quando você fala do caderno ele está disponível na sala ou é dado para cada aluno?

Lia Paraventi
fala com Fernanda: A SME publicou um Caderno de Orientações Didáticas – Ler e Escrever – Tecnologias na Educação. Trata-se de um referencial prático metodológico para o professor. Você pode acessá-lo no Portal EducaRede, em publicações, pois é um livro virtual.

Moderador
Douglas: Lia, muito obrigado pela resposta dada a professora Fernanda, também pretendo acessar o Caderno de Orientações para melhor trabalhar a questão das Tecnologias a serviço da Educação.

Moderador
Nana: Quais ações estão previstas na SME para o ano de 2009?


Lia Paraventi
fala com Nana: Na área de Tecnologias, vamos desenvolver o projeto Minha Terra com a participação dos alunos monitores. Esperamos que todas as escolas da rede participem, pois está centrado em ações de protagonismo dos alunos.

Moderador
Douglas: Sou professor da Rede Estadual de São Paulo, seria possível participar do projeto?

Lia Paraventi
fala com Douglas: Você será bem vindo. É uma comunidade aberta para o Brasil. Nós da Prefeitura de São Paulo criaremos pautas adequando a realidade dos Projetos Pedagógicos de nossas escolas, bem como faremos encontros presenciais com os educadores de nossa rede para acompanhamento das etapas do projeto. Desses presenciais, infelizmente, você não poderá participar, pois são parte do nosso projeto dentro do Minha Terra.

Moderador
Teresa: Lia, como o professor deve se preparar para enfrentar a diferença entre o seu conhecimento sobre informática e o dos alunos, uma vez que os jovens estão cada vez mais plugados à Internet?


Lia Paraventi

fala com Tereza: O professor deve simplesmente entender que não é necessário que ele saiba antes para apresentar a proposta. Deve estar aberto a aprender com o aluno, pois este se sentirá motivado e orgulhoso de poder contribuir também com o seu próprio conhecimento em relação às tecnologias. O professor deve estar seguro de sua proposta pedagógica, dos caminhos a percorrer e de como irá orientar seus alunos. Se a proposta for uma apresentação da produção final em Vídeo, por exemplo, ele simplesmente lança o desafio para o aluno e descobre com este e seus parceiros como fazer.

Moderador
Clarice: Quais são os principais pontos que eu devo levar em consideração quando penso no planejamento escolar?

Lia Paraventi
fala com Clarice: Estabelecer metas é o primeiro passo. Lembre-se de que as metas devem ser mensuráveis. Ex.: Ampliar em 20% o uso de câmeras digitais nos projetos dos alunos. Como você percebe, a meta tem como referência um indicador anterior. Se você não tiver indicadores avaliativos para se basear em 2008, aproveite para indicá-los no seu planejamento 2009. Mesmo não havendo indicador anterior estabeleça metas concretas para 2009. Os objetivos são o porquê da meta estabelecida. Por que é importante ampliar o uso de câmeras digitais em 2009? Você deve ter clareza do que deseja, para poder estabelecer, então, as estratégias, que são as ações a serem desenvolvidas para atingir os objetivos e metas. Pense também no tempo.

Moderador
Claudio: Como o professor deve lidar com a paixão que os jovens tem pelo Orkut?

Lia Paraventi
fala com Claudio: Claudio, o Orkut nada mais é do que um espaço para o aluno se comunicar. A paixão dele não é o Orkut, mas a comunicação. Temos experiência de dois anos em comunidades virtuais e em nossa rede essa febre de Orkut e MSN já está focada para a comunicação diária dos alunos em outros espaços.

Moderador
Claudio: Obrigado Lia, gostei da sua resposta sobre o Orkut.. é isto mesmo… a gente se deixa levar pela tecnologia em si, e esquece de pensar nas suas aplicações…

Moderador
Claudio: Como professor, acho um desafio trabalhar com alunos que tenham necessidades especiais. E usar tecnologias com ele então, deve ser um grande desafio. A SMESP tem alguma preocupação/proposta para isso?

Moderador
Douglas: Cara professora Lia, também compartilho da inquietação do professor Claudio, uma vez que também lido com essa realidade em minha escola. A senhora não acredita que primeiramente o professor deveria ser capacitado adequadamente para o trabalho com o aluno portador de necessidade especial, antes de incluí-lo nas salas de informática?

Lia Paraventi
fala com Claudio e Douglas: É nosso desafio também. Este ano estamos propondo um trabalho da comunidade surda em comunidade virtual de aprendizagem. Também publicaremos um livro virtual ( ainda não temos o nome certo) mas a idéia seria: pequenas soluções para grandes problemas. Buscaremos essas soluções nas práticas da própria rede. Acreditamos que disponibilizar na Internet e possibilitar que a rede converse e compartilhe seus avanços e dificuldades é a melhor solução.

Moderador
Mila: Lia, as escolas têm discutido e incluindo o uso das TICs, da sala de informática nos seus PPPs?

Lia Paraventi
fala com Mila: Mila, a rede contou com sete dias de planejamento escolar antes do início das aulas e o retorno que tivemos foi um grande avanço dessa articulação de áreas do conhecimento e uso de tecnologias. Parece-nos que está ficando claro que pesquisar, por exemplo, passa antes por aprender a … e não simplesmente pesquisar o tema que o professor da sala de aula sugere ao aluno. Se o aluno aprende a avaliar sites, focar conteúdos e analisá-los os alunos poderão pesquisar com qualidade qualquer tema e em qualquer momento.

Moderador
Clarice: Lia, a informática pode perpassar todas as disciplinas?

Lia Paraventi
fala com Clarice: Pode e deve também ir muito além. Fico preocupada quando o professor pensa as tecnologias somente nas áreas do conhecimento, pois pode acabar por engessar um trabalho que vai além. A autoria, o protagonismo, a comunicação da aprendizagem e a própria aprendizagem colaborativa podem levar a construções de conhecimento para além de conteúdos elencados pelas disciplinas.

Moderador
Laura: Sei que a prefeitura de SP mantém professores de informática. Isso não dificulta que os outros professores se apropriem?

Lia Paraventi
fala com Laura: As pessoas só se apropriam daquilo que sentem necessidades. Nosso foco é o aluno e sua inclusão digital por meio das diferentes linguagens midiáticas. Temos sim um Professor Orientador, com uma aula semanal no laboratório para atender as necessidades dessa era de Pesquisa, comunicação e publicação na Internet. Se o professor necessita de algo em relação às tecnologias para atender uma necessidade pedagógica em função do aluno o POIE poderá ajudá-lo.

Moderador
Jailson: O que você acha de secretarias que proíbem o uso de orkut, messenger ? Os alunos descobrem jeitos de entrar…

Lia Paraventi
fala com Jailson: Na Rede Municipal, o Orkut e o MSN estão bloqueados, pois oferecemos outras formas de comunicação que estão dando resultado. Eles mesmo descobrem que internet não é só Orkut e MSN. Quando o professor deseja desenvolver um a proposta utilizando o Orkut ou MSN, ele solicita e a secretaria desbloqueia em sua escola.

Moderador
Jailson: Li o Caderno de Tecnologias no EducaRede e gostei muito. Por que São Paulo não divulga essa experiência para outras cidades? Reunir boas práticas num material para todos é uma ótima idéia.

Lia Paraventi
fala com Jailson: Você é nosso convidado para entrar no projeto Minha Terra. Nas etapas de trabalho também indicaremos atividades do caderno. Ele já está disponibilizado na Internet, pois acreditamos na produção compartilhada e na socialização. Você também pode divulgar, afinal é assim que construímos uma grande rede, não é mesmo?

Moderador
Fernanda: Lia, pais e alunos também podem participar do planejamento escolar ou só professores e coordenadores?

Lia Paraventi
fala com Fernanda: O projeto Pedagógico da escola deve contar com a participação de pais e alunos, pois trata da escola que se quer. Do levantamento de prioridades para se chegar à escola desejada. Do seu plano de curso, devem constar as metas, objetivos e estratégias que deem conta de atender as prioridades do PP.

Moderador
Douglas: Cara Lia, tenho percebido que o projeto Minha Terra é uma iniciativa louvável da SME da cidade de São Paulo. A senhora já pensou em firmar parceria com a Secretaria Estadual ?

Moderador
Mila: Oi Douglas, sou do EducaRede, essa parceria do Minha Terra com a SEE-SP já existe. Acredito que, em 2008, a maioria das escolas receberam o cartaz de divulgação, inclusive utilizamos a videoconferência da SEE para conectar os participantes de todo o Brasil…

Moderador
Douglas: Mila, obrigado pela informação, mas infelizmente minha escola não recebeu informação alguma a respeito do projeto, muito obrigado pela resposta e procurarei me informar melhor sobre essa parceria.

Moderador
Mila: Douglas, você já pode conhecer a comunidade Minha Terra 2009 e se cadastrar. Assim, quando começar o projeto você será avisado.

Moderador
Douglas: Cara Mila, vou me cadastrar na comunidade Minha Terra 2009 e pretendo participar com muito carinho. Obrigado pelo convite. Caros amigos professores, foi um prazer enorme participar desse bate-papo, mas infelizmente preciso sair. Grande abraço a todos e em especial a Professora Lia pelas dicas preciosas.

Moderador
Lucimeire: Lia, que tal falar um pouquinho mais sobre as tecnologias nos Projetos Pedagógicos das Unidades…

Lia Paraventi
fala com Lucimeire: As TIC’s devem estar presentes no Projeto Pedagógico da U.E. uma vez que este trata da escola que se quer e não há mais como a escola se distanciar das linguagens midiáticas que as TIC’s representam e são portadoras. Ao elaborar o PP é preciso pensar se a escola pretende ser uma escola desta era e como irá lidar então com isso. Se os professores ainda não sentem necessidade ou percebem a importância das TIC’s no universo educacional é preciso lembrar, mais uma vez que os alunos necessitam, desejam e já transitam nessa linguagem com e
iciência. 

Moderador
Mila: Lia, em 2008 a SME fez um diagnóstico do `letramento digital` dos seus alunos. Conte um pouco sobre essa pesquisa para nós. Há algum resultado que te surpreendeu???

Lia Paraventi
fala com Mila: Os resultados foram fantásticos. É indicador para o planejamento 2009 tanto da SME como das escolas. Foram dois momentos: no primeiro semestre enviamos a devolutiva para as escolas e a porcentagem do que os alunos já sabiam em relação às tecnologias. Com base nesses dados combinamos que alguns recursos deveriam ser potencializados pelos professores para que os alunos não avançassem sem o conhecimento necessário e pudessem se nivelar aos demais. No diagnóstico do 2º semestre, tivemos avanços em todos os item elencados. É um bom indicador para conhecermos a realidade de cada escola, de cada Diretoria Regional e da própria cidade de São Paulo.

Moderador
Cleide Marina1: Lia, Boa tarde!

Lia Paraventi
fala com Cleide Marina1: Você já iniciou seu plano?

Moderador
Cleide Marina1: Sim, já iniciei e estou buscando formas de integrar a linguagem tecnológica ao cotidiano da escola

Moderador
Cris: Olá Lia,

Lia Paraventi
fala com Cris: Olá Cris, de onde você tecla?

Moderador
Cris: Estou no Campo Limpo, queria reforçar a importância de nosso trabalho em parceria com o CEFAI. Já estamos tendo mil ideias e isso pode ajudar todos os que tiverem acesso às informações.

Moderador
Cris: A idéia de parceria com o CEFAI dará muito frutos, a recepção tem sido muito boa.

Lia Paraventi
fala com Cris: Essa gestão de comunidade compartilhada será para nós também um grande desafio e muitos aprendizagens.

Moderador
Marcela (DRE CS): Lia, Boa tarde!

Moderador
Marcela (DRE CS): Nossos professores estão ansiosos por saber mais sobre o projeto Minha Terra, pois veem de encontro com o PP das escolas.

 

Lia Paraventi
fala com Marcela (DRE CS): Estamos criando pautas para atender todos os anos e ciclos. Pode ter certeza de que será um grande projeto. Para deixá-los mais ansiosos posso dizer que trabalharemos com reportagens, mas isso é só o começo. Também sabemos que um bom projeto é sempre reavaliado no processo e deve acontecer com o Minha Terra também.

Moderador
Renata: Lia, gostei muito da ideia do projeto Minha Terra, será muito prazeroso.

Lia Paraventi
fala com Renata: O projeto Minha será sim muito prazeroso e aprenderemos muito com as trocas entre os outros estados do Brasil.

Moderador
Mila: Lia, e o diagnóstico do `letramento digital` dos professores, vocês já fizeram? Pensam em fazê-lo?

Lia Paraventi
fala com Mila: O letramento digital dos professores será expresso na avaliação global de SME. Neste momento, estamos centrados no letramento digital dos alunos, pois entendemos que serão eles os precursores do letramento digital dos professores. Criamos estratégias para que o aluno leve propostas para o professor e assim vamos criando uma “rede de necessidades” entre eles. Já iniciamos com a publicação de histórias de vida dos professores na internet e os alunos os ajudaram a publicar. Acreditamos muito nesse caminho.

Moderador
Claudio: Lia, cai mas voltei… obrigado pela resposta sobre TICs e alunos com necessidades especiais… que bom vocês estarem avançando nisso e preocupados em construir. Tornem público a experiência de vocês para que nos, professores da rede estadual, possamos aprender também

Lia Paraventi
fala com Claudio: Disponibilizaremos sempre todo o material que elaborarmos. Como nossas publicações são realizadas colaborativamente, esperamos poder contar com suas sugestões e dificuldades também.

Moderador
Ju Sampaio: Boa tarde.

Lia Paraventi
fala com Ju Sampaio: De onde você é?

Moderador
Ju Sampaio: Ops, me desculpe a falta de educação: Boa tarde, prazer em estar `ouvindo` você. Sou professora, não da rede, e estou em casa agora, não na universidade.

Lia Paraventi
fala com Ju Sampaio: Você poderia compartilhar conosco como estão sendo incluídas as TIC’s no currículo nas universidades. O acha?

Moderador
Ju Sampaio: Lia, não há necessidade de desculpas! 🙂 Moro em Campinas/SP. Leciono, por EaD, arte.

Moderador
Ju Sampaio: Lia, e os demais, não posso falar por todas as universidades, é claro, mas as TIC’s estão presentes e fazem parte do cotidiano da maioria das que conheço e/ou trabalho. Leciono por EaD web-mediada em uma licenciatura em artes visuais. Mas, mesmo nas presenciais, a presença é uma constante. Há disciplinas específicas, por exemplo, nos cursos de pedagogia, voltadas à formação de professores dentro dessa realidade.

Moderador
Ju Sampaio: Desde 1999, quando comecei a trabalhar com as TIC em universidades, as propostas de formação de professores com uso destas tecnologias só vem aumentando. Algumas equivocadas, é verdade, mas o mais importante é que há a preocupação na formação de professores que transitem com alguma desenvoltura nessa realidade.

Moderador
Mila: Ok Lia. Aproveito para parabenizar você, sua equipe, a SME-SP e todos os envolvidos pelas tantas ações em prol do uso pedagógico das TICs e da inclusão digital que vocês desenvolvem… Um abraço. 

Moderador
Cleide Marina1: Foi um prazer enorme participar desse bate-papo. Parabéns e um grande abraço.

Lia Paraventi
fala com Todos: O tempo acabou… Gostaria de agradecer a participação de todos. Não esqueçam, o planejamento escolar é essencial.

Moderador
Lia, o EducaRede agradece a sua participação e a de todos os internautas.

(CC BY-NC Acervo Educarede Brasil)

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *