Internet: a rede que envolve tudo

Internet é um conjunto de redes de comunicação e informação, atualmente disponíveis em quase todo o planeta, que permite a seus usuários encontrar todo tipo de conhecimento, comunicação e diversão, além de realizar compras, fazer consultas etc.

O nascimento da Internet aconteceu na década de 1960 com a finalidade de manter as comunicações institucionais e políticas nos Estados Unidos em caso de uma possível guerra. Porém, a experiência foi tão frutífera que, desde a primeira demonstração pública, em 1972, a ferramenta foi se aperfeiçoando até alcançar aquilo que hoje conhecemos como Internet.

Atualmente, crianças e “não tão crianças” utilizam essa ferramenta diariamente, para trabalhar, aprender, se comunicar ou se divertir. Existem mais de 24 bilhões de páginas na web no mundo todo, e diariamente são realizadas mais de 200 milhões de buscas na Internet. Frente a tudo isso, é fundamental conhecer as ferramentas e serviços existentes na rede para orientar a navegação de crianças e adolescentes.

 

Hábitos de Consumo da Geração Interativa

Tempo

Cada vez mais, as crianças dedicam parte do seu tempo livre a navegar na rede, em busca de entretenimento.

Companhia

Embora muitas crianças acessem a Internet na companhia de adultos, a maioria navega sozinha.

Localização

É cada vez maior o número de crianças com computador no seu quarto ou no de algum irmão.

Conteúdos

A grande maioria das crianças que acessam a Internet buscam diversão e entretenimento. Os mais solicitados: videogames e páginas que permitem manter ou aumentar sua rede social, como salas de bate–papo, messenger, comunidades virtuais etc.

Multitarefa

A Internet permite interagir com outras telas. Ao mesmo tempo em que se acessa a web, pode-se assistir televisão, usar o celular, jogar videogames ou até fazer as lições de casa.

Percepção do meio

As crianças pensam que sabem mais do que todos em casa sobre a Internet. Ninguém ensinou a elas como usá-la, por isso se consideram os experts da família. A grande maioria das crianças que usam a web são conscientes de que se trata de algo muito útil. No entanto, nem todos a consideram imprescindível. Alguns chegam a vê-la como um capricho.

 

Oportunidades

Limitando-nos somente ao âmbito educativo, a Internet permite instruir-se de maneira divertida. Além do mais, facilita a participação dos pais e dos filhos em atividades conjuntas. A contínua atitude de busca que deve manter a criança frente à Internet pode favorecer sua curiosidade pelo conhecimento e seu desenvolvimento intelectual.

Por último, ela permite que a criança elabore seus próprios conteúdos: criar um blog, participar de uma rede social adequada à sua idade, manter um site na web etc., o que fomenta sua criatividade e sua responsabilidade.

 

Riscos

Os riscos podem ser reunidos em três níveis: a exposição a conteúdos nocivos, a excessiva carga horária dedicada e a possibilidade de contatar pessoas potencialmente perigosas para sua integridade física ou psíquica. A Internet põe ao alcance das crianças, com grande facilidade, páginas cujos conteúdos são inadequados, inclusive para adultos – muitas delas, no limite da legalidade.

O poder de atração da ferramenta faz com que muitas crianças usem seu tempo livre para se conectar à Internet, em detrimento de outras opções como dormir, se relacionar com seus familiares e amigos ou participar de outras atividades destinadas ao ócio (escutar música, ler um bom livro, praticar algum esporte etc.).

A facilidade e a gratuidade de muitas páginas destinadas à comunicação dos internautas pode impedir a comunicação direta e cara a cara entre as pessoas, ao mesmo tempo em que facilita o contato com desconhecidos. E isso pode ser perigoso.

 

Alguns conselhos

Intercâmbio de experiência

Compartilhe suas experiências educativas relacionadas às novas tecnologias e conheça as iniciativas de outras famílias na página do Gerações Interativas.

Dica: a página está em espanhol, mas os internautas brasileiros podem escrever em português.

Conheça o meio

Seja o primeiro navegante: acesse a rede e descubra todas as suas possibilidades.

Seja você a referência

Eles usarão a Internet da mesma forma que você.

Uso conjunto

Navegue com seus filhos: mostre a eles suas muitas utilidades. Partilhe com eles a seleção de conteúdos. Se alguma coisa chamar sua atenção ou surpreendê-los, a melhor atitude é que vocês analisem juntos.

Mais vale prevenir

Advirta seus filhos sobre as armadilhas mais comuns na Internet: eles nunca devem fornecer dados pessoais ou familiares, responder mensagens de origem desconhecida, combinar encontros com pessoas que conheceram na Internet etc.

Cada coisa no seu lugar

Coloque o computador em um lugar da casa a que todos tenham acesso. Se estiver no quarto do filho, você não vai poder acompanhar o uso.

Utilize a ajuda tecnológica

Use algumas ferramentas técnicas para assegurar a melhor qualidade possível aos conteúdos acessados em sua casa, aos aplicativos e ao tempo dedicado à navegação (filtros de conteúdo, bloqueio de aplicativos, software de controle de tempo). Todos vão agradecer.

Seja um “cibersentinela”

Se você encontrar conteúdo ilegal, denuncie em alguma das páginas destinadas a isso.

Internet é um meio, não é um fim

Não há sentido em se conectar sem saber para quê: uma navegação sem rumo costuma provocar muitos naufrágios.

 

O que você pode fazer para que sua casa seja um lugar tecnologicamente responsável?

Em quase todos os momentos do dia interagimos com uma tela digital em nossa casa e em nossa vida. Vemos televisão, falamos ao telefone, enviamos SMS, abrimos emails, acessamos à Internet para buscar informação… é uma grande oportunidade que facilita nossas vidas tanto no âmbito do trabalho como nos momentos de descanso, na comunicação etc.

Já nos acostumamos com as telas digitais como parte de nossa vida, mas em algumas ocasiões ainda não nos damos conta da importância de fazer uso responsável delas. Temos consciência de desligar a luz quando saímos de casa, por exemplo, entretanto, nem sempre desligamos a televisão quando saímos da sala de estar para preparar algo para comer. Conseguimos entender que a partir de uma determinada hora não devemos ligar para o telefone fixo de uma casa para não interromper o descanso alheio, mas não pensamos o mesmo se a chamada for para um telefone celular. Assim, nos ocorre a pergunta “que exemplo de lar queremos dar à sociedade do futuro, às nossas crianças e aos adolescentes de hoje?”.

Desde já fazemos a primeira proposta: criar um espaço para guardar os celulares desligados. Ao chegar em casa, assim como temos um lugar para colocar as chaves, por que não dispor de um espaço onde os membros da família possam deixar os celulares desligados? Assim desfrutaremos de um momento do dia sem interrupções. Qual a sua proposta? Ajude-nos a criar um lar tecnológico para todos por meio da discussão sobre o tema. Deixe aqui seu comentário.

Fonte: Gerações Interativas
Tradução: Carla Jimenez

_____________________________________


(CC BY-NC Acervo Educarede Brasil)

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *