Fórum reúne educadores em SP

Rumo à cidade educadora

São Paulo realiza, pela primeira vez, uma edição temática do Fórum Mundial de Educação, e o EducaRede participa com oficinas e bate-papos com conferencistas

Por Jô Azevedo

 

Duas mil crianças vestidas de branco e túnicas coloridas fizeram a apoteose da abertura do Fórum Mundial de Educação de São Paulo, na noite de 1º de abril, no Pólo Cultural Grande Otelo (Sambódromo), na Zona Norte da capital paulista. Organizadas em coreografia da bailarina Márika Gidali, do Ballet Stagium, ao som de Strauss, Egberto Gismonti, Gonzaguinha e Elis Regina, elas realizaram evoluções, construindo na pista uma “cidade” de papel pardo, representando São Paulo, suas atividades, seus edifícios, símbolos e habitantes.

Em seguida, agruparam-se em cirandas coloridas, portando dobraduras de papel no formato de pássaros. Numa alusão ao tema do próprio fórum – Educação Cidadã para uma Cidade Educadora -, saíram da pista num imenso bloco, movimentando as asas dos enormes origamis, perseguidas por um colorido dragão chinês de pano. Na platéia, oito mil pessoas, entre professores, educadores, alunos e demais inscritos no evento acompanharam a movimentação das crianças e também os discursos de abertura.

Movimento de indignação

O educador Bernard Charlot, representante do Comitê Internacional do Fórum Mundial de Educação, abriu o evento relembrando o percurso do FME: “Seu caminho foi uma aventura e hoje, ele é um movimento mundial, iniciado por conta da indignação. Em pleno início do século 21, milhões de pessoas no mundo inteiro ainda não têm acesso à educação. Também pelo pouco que se valoriza a educação. Apesar dos discursos políticos, em muitos lugares do mundo, se paga ao docente muito menos do que a um policial”.

Neste ano, fóruns temáticos regionais foram realizados em países como Argentina e Colômbia, mas Charlot destacou que entre todos, o de São Paulo é o mais importante: “O tema Cidade Educadora é mais que pertinente, pois a maior parte dos seres humanos hoje vive nas cidades e São Paulo é a maior da América Latina, uma das três maiores cidades do mundo”. Pelo Comitê Organizador do FME, o pesquisador Pablo Gentile enfatizou a ligação do FME com o movimento do Fórum Social Mundial, cuja edição deste ano em Mumbai, na Índia, amplificou ainda mais a rede de forças populares e movimentos sociais, em contraposição às políticas neoliberais da última década do século 19. Representando a Coordenadoria de Educação da Unesco, Maria José Feres trouxe o apoio daquele órgão multilateral ao evento, ressaltando o fato de que o acesso universal à educação propugnado pelo FME, é também uma bandeira de luta histórica da organização à qual pertence.

Transformando São Paulo

A prefeita Marta Suplicy recebeu de Alicia Cabezudo, diretora da Rede Latino-americana de Cidades Educadoras,a documentação de Cidade Educadora, recordando os 450 anos de São Paulo e a realização do Fórum Mundial de Cultura, programado para junho deste ano. “São Paulo quer ultrapassar o espaço da sala de aula como lugar da Educação. Isso exige o esforço de uma cidade inteira”, começou. Segundo a prefeita, educação é prioridade absoluta na cidade: “Estamos transformando São Paulo numa cidade educadora”.

O ministro da Educação, Tarso Genro, que acolheu a primeira edição do FME, quando ainda prefeito de Porto Alegre, também participou da abertura oficial. “No percurso do Fórum Social Mundial e do Fórum Mundial de Educação, muitas cidades se articularam em rede, preocupadas em encontrar um caminho de solidariedade, igualdade e justiça e contra a ótica predatória da globalização financeira. Todos devemos nos dar a mão para exigir pão, mel e igualdade e este é um momento dessa construção”, disse. No sábado, dia 3, às 9 horas, o ministro participa da conferência O Papel do Ensino Superior na Perspectiva de uma Educação Cidadã, no Auditório Maria Lacerda de Moura, no Centro de Convenções do Anhembi.

O Fórum Mundial de Educação São Paulo (FME-SP) vai reunir educadores de várias partes do mundo para discutir o tema “Educação Cidadã para uma Cidade Educadora”. O evento acontece na capital paulista, de 1 a 4 de abril.

O FME-SP terá como sede o Palácio de Convenções do Anhembi, no entanto, algumas atividades vão ocorrer em locais próximos, como Estádio da Portuguesa e UniSantana. A expectativa da organização é receber um público de 60 mil pessoas.

Entre os palestrantes confirmados, estão personalidades como o assessor da presidência Frei Betto, o teólogo Leonardo Boff, o sociólogo Emir Sader, os educadores franceses Bernard Charlot e Louis Weber, o colombiano Ramón Moncada, a espanhola Pilar Figueras (presidente da AICE), a argentina Alicia Cabezudo (diretora da Rede Latino-americana de Cidades Educadoras), secretários de Educação, professores de universidades brasileiras e estrangeiras.

Para saber mais informações sobre o FME-SP, acesse: http://www.forummundialeducacao.org/.

 

Os sites indicados neste texto foram visitados em 23/01/2004

 

(CC BY-NC Acervo Educarede Brasil)

 

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *