Adeus, chamigo brasileiro – uma história da Guerra do Paraguai

Adeus, chamigo brasileiro – uma história da Guerra do Paraguai

Disciplina:

História

Ciclo: Ensino Médio
Assunto: Guerra do Paraguai
Tipo: Texto

Onde encontrar: Livrarias

Trata-se de uma história em quadrinhos sobre o maior conflito armado da América do Sul – a Guerra do Paraguai (1864-1870) –, que envolveu o Brasil, a Argentina e o Uruguai, de um lado, e o Paraguai, do outro. O autor acompanha a trajetória de alguns personagens que se encontram nos campos de batalha, ressaltando o cotidiano das tropas e o modo como a guerra interferiu diretamente na vida das pessoas.

É uma versão em quadrinhos, publicada pela Companhia das Letras em 1999, da tese de doutorado defendida por Toral na Universidade de São Paulo – Adiós, chamigo brasileiro. Um estudo sobre a iconografia da guerra da Tríplice Aliança: com o Paraguai (1864-1870). 2 vol. São Paulo: 1997.

Toral apresenta essa guerra, ressaltando aspectos pouco explorados em análises desenvolvidas por vários historiadores, como o cotidiano no front e os efeitos da guerra na vida das pessoas comuns. Guarda relativa distância da polêmica em torno das causas da guerra, evitando tanto o lado da história oficial brasileira, que demoniza a figura de Solano López, quanto a crítica dessa versão, que atribui a guerra principalmente à ação do imperialismo britânico, responsável pela derrota do projeto de desenvolvimento autônomo do Paraguai.

O uso da linguagem dos quadrinhos evidencia um talento a mais desse autor: o traço firme e equilibrado, aliado à ótima combinação de cores, ajuda a compor uma visão multifacetada da guerra, alternando o cenário mais comum de mortes e destruição com cenas de grande densidade afetiva, como a da “descoberta” das fronteiras entre os países e da própria noção de Brasil por parte de dois soldados brasileiros, provenientes do sertão da Bahia.

O livro traz o olhar desses sertanejos, excluídos da ordem social, sobre a guerra, sobre a construção da idéia do “inimigo”, representada, até aquele momento, apenas pela natureza, do lado paraguaio:

“Que haveria de especial naquelas matas de palmeiras, naqueles areais e charcos que poderiam perfeitamente ser brasileiros? De qualquer forma, Sebastião passou a olhar desconfiado para a paisagem, para aquela pedra, para aquele coqueiro (…)” (p. 31)

No final do livro, Toral acrescenta o ensaio “A Guerra do Paraguai”, em que analisa o contexto regional da guerra e os objetivos dos países envolvidos. Apresenta e discute imagens do conflito: fotografias, desenhos, charges de jornais e pinturas. Encerra o livro com uma cronologia dos principais acontecimentos e uma bibliografia básica.

Em sala de aula, depois de explorar bem com os alunos a história em quadrinhos, é interessante sugerir aos alunos leitura coletiva e discussão do ensaio que fecha o livro, para consolidar as idéias desenvolvidas ao longo do texto da HQ.

Na seqüência, valeria a pena indicar aos alunos a leitura de obras que trazem a defesa de outras teses, como o livro “Paraguai, nossa guerra contra esse soldado”, de León Pomer.

Para um aprendizado realmente crítico da História é fundamental que os alunos exercitem tanto o pensar próprio sobre o mundo em que vivem quanto o conhecimento e contato com diferentes explicações de eventos e processos históricos. É dessa reflexão que resulta, entre outras coisas, a construção do conhecimento e da cidadania dos alunos.

Referência bibliográfica:
TORAL, André. Adeus, chamigo brasileiro – uma história da Guerra do Paraguai. São Paulo: Companhia das Letras, 1999.

Para aprofundar:
POMER, León. Paraguai, nossa guerra contra esse soldado. 4a ed. São Paulo: Global Editora, 1986.

Texto Original: Ronilde Rocha Machado

Edição: Equipe EducaRede

 (CC BY-NC Acervo Educarede Brasil)
11/09/2003

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *